lunedì 1 ottobre 2007


há uma casa de janelas fechadas
um quintal de cascalho
roseiras, hortênsias, hibiscos e orquídeas selvagens
caem frutos putrefactos
numa noite de outono.

posso sempre sair por essa porta
diz o homem
posso sempre desejar-te como um fragmento
ao ver-te passar por entre a revoada de folhas de choupo que o vento levanta
imaginar-te aí como um fotão posso sempre desejar-te
riscada sobre os papéis onde escrevo, impaciente
posso sempre desejar-te repito
posso sentir a tua pele na minha boca, luminescente
a pele dos teus seios, da curva dos antebraços
antes do lugar que articula o meu desejo
o cotovelo onde te agarro quando me desconheço

posso
sempre
desejar-te muito

a mulher cruza os braços
e entra na casa de fôlego perdido, as janelas fechadas.
caem frutos putrefactos
numa noite de outono.
Blue

2 commenti:

blue ha detto...

:)

(obrigada)

Scarlata ha detto...

Quem agradece sou eu!
;)