mercoledì 26 settembre 2007

La spada di Damocle

Ontem de relance, quando deixei o pançudo na creche, vi uma menina, uma daquelas que fazem parte do grupo que entrou este ano, tinha a chucha na boca e os olhos esbugalhados de choro, mas o que me provocou uma sensação de mau estar foi aquela mãozinha fofa e gorda agarrada à orelha, um gesto auto-consolador que bem conheço. Desabaram-me em cima as minhas duvidosas certezas. Quem estabelece que é bom que as crianças frequentem a creche? Quem estabelece com que idade? E quem estabelece é sopra le parti? Se não fosse a necessidade dos pais trabalharem, porquê manda-las para a creche? Mando-o para a creche porque é bom para ele, quando na verdade é bom para mim? Porque vou trabalhar mais descansada? Não é natural, é um vício da sociedade. Parece-me que o desfile de motivações que nos dão foi estipulado para apagar o nosso sentido de culpa.

Transfiro a mesma preocupaçao para mais tarde, para o ingresso na escola primaria, quem estabelece que com seis anos uma criança está pronta para a escola? Eu sei que está pronta para brincar, jogar, e não para estar confinada entre quatro paredes a memorizar conceitos que lhe resultam abstractos... O resto são eles que dizem.

4 commenti:

margarete ha detto...

compreendo a tua cena, e no que diz respeito ao jardim de infância, se pudesse ser só por umas horitas divertdas (tipo 3 horas por dia), mesmo com pais (e/ou avós) totalmente disponíveis faz bem a todos, cr e pais. Não esta barbaridade da vida moderna em q tantos estão no jardim de infancia das 7.30 às 18h.

quanto às idades, podes pesquisar para saber melhor sobre Piaget e compreenderás a razão de ser, não o "quem estabelece" mas o "porque se estabelece" a introdução de certas aprendizagens em períodos específicos
adianto:
estadio sensório-motor - dos 0 aos 24 m
estadio pré-operatório - 2 aos 7 A
estadio das operações concretas- 7 aos ~12A
estadio das operações formais - ~12 aos ~16A

acho que só o nome de cada estadio já dá para capiscar muitos "porque" ;)

margarete ha detto...

pronto, com pequenas variações nas idades, na wikipedia

Scarlata ha detto...

Mas o problema é mesmo esse, as crianças passam o dia todo na creche, e se não é na creche é com os avos e se não é com os avos é com a baby-sitter, pessoas que por quanto competentes possam ser não são a mãe.
Eu deixei de trabalhar a tempo inteiro porque não conseguia conviver com esse tipo de vida, ver o meu filho uma hora por dia...

Eu compreendo a introdução de certas aprendizagens, embora pense que até aos 6/7 anos são tudo coisas que os pais podem proporcionar, claro que é preciso ter disponibilidade para isso. É essa falta de tempo que eu condeno e a organização desta sociedade de merda que nos faz deixar a educação dos nossos filhos a outros.

Enfim, sou utópica

margarete ha detto...

então não estás a criticar a creche ela pp mas o "sistema"
cá por mim, acho bom um bocadinho de tudo e muito de mamã :P

percebi mal qdo disseste "quem estabelece que com seis anos uma criança está pronta para a escola?" por isso referi Piaget
se a escola é confinada a 4 paredes já depende do metodo utilizado em cada uma

mas é como tudo... percebo bem os putos e os pais... eu tb não viria trabalhar se fosse "herdeira" :P