martedì 15 maggio 2007

Os códigos de Leonardo

Código atlântico


Este código é o mais vasto entre todos, o seu nome deriva da dimensão das suas páginas que é como a das páginas de um atlas. É constituído por 1119 folhas encadernadas em 12 volumes com capa em pele. Os documentos foram recolhidos em desordem e abrangem um vasto período de estudos de Leonardo, de 1478 a 1519. São presentes diferentes sujeitos: mecânica, matemáticas, Botânica, química, anatomia, geografia, astronomia, máquinas para o voo dos pássaros, para imersão no mare e projectos de arquitectura.





Código Arundel
Recolha encadernada em marroquino, com 283 papéis que divergem de formato, folhas que provêm de manuscritos desmembrados e colados sobre folhas de suporto. São tratados assuntos diversos: estudos de física e de mecânica, estudos de óptica e de geometria euclidiana, estudos de pesos, estudos que se referem ao aparelho para imersão, estudos de arquitectura; os últimos compreendem os trabalhos para a residência real Francesco I em Ramorantin (França). A maior parte das páginas pode ser datada entre 1478 e 1518.




Códigos do Instituto de frança

São constituídos por 12 manuscritos de papel, alguns encadernados em pergaminho outros em pele e outros em cartão. Divergem nas medidas, o mais pequeno é o Código M, e o mais grande é o Código C. Por conveniencia cada um é designado uma letra do alfabeto, de A a M, num total de 964 folhas. Alguns dos argumentos tratados são: a arte militar, a óptica, a geometria, o voo dos pássaros e a hidráulica. A maior parte das páginas são presumivelmente datáveis entre 1492 e 1516.



Código Forster

São três manuscritos em papel, encadernados em pergaminho, e designados Forster I, Forster II e Forster III. São práticamente livros de bolso; passaram ao Conde Lytton para serem herdados pelo John Forster que em 1876 os deixou ao museu onde foram conservados até hoje. Recolhem estudos de geometria, pesos e máquinas hidráulicas elaboradas por Leonardo em diferentes períodos entre 1493 o 1505.






Código do voo dos pássaros

É composto por 17 páginas, escritas por volta de 1505. Trata principalmente do voo dos pássaros, que Leonardo analisa com uma rigorosa abordagem mecânica, assim como estuda a função da asa, a resistência do ar, os ventos e as correntes, além disso encontram-se estudos sobre a gravidade, sobre a ciência dos pesos e os projectos arquitecturais para a casa de campo do governador Francês de Milão, Charles Amboise.



Código Trivulziano

É constituído por um dossier de 55 folhas, originariamente eram 62. Era em possesso de Gaetano Caccia que em 1750o o cedeu ao Príncipe Trivulzio. Para além de estudos de arquitectura militar e religiosa, e dos projectos de caricatura, são presentes numerosas páginas sobre os estudos autodidactas de Leonardo finalizados a melhorar a sua formação literária. A maior parte das páginas pode ser datadal entre 1487 e 1490, por este motivo é um dos códigos mais antigos.






Os Códigos de Madrid

Foram redescobertos apenas em 1966; são dois manuscritos em papel, encadernados em marroquino vermelho e são muito importantes para o conhecimento da obra de Leonardo. Com o objectivo de serem rapidamente identificados foram designados "Madrid I" e "Madrid II". O Código Madrid I, que compreende 192 folhas é dividido em duas partes com base nos conteúdos, o primeiro contem projectos de mecanismos, enquanto o segundo é dedicado à mecânica teórica, datado entre 1490 e 1496. Enquanto o Madrid II, compreende 157 folhas divididas em dois manuscritos, é dedicado a estudos geométricos, e é datado entre 1503 e 1505.


Código Leicester (ex Codice Hammer)

Pertenceu à Thomas Coque de 1717, foi adquirido sucessivamente num leilão por Armand Hammer em 1980 e agora é de proproedade de Bill Gates. É um manuscrito em papel, encadernado em pele e composto de 36 folhas, dedicadas em predominância a estudos de hidráulica, aos movimentos da água e à astronomia. Os documentos são datados entre 1504 e 1506.






Código Ashburnham
Identificam-se com dois números: 2037 o ex código B e 2038 o ex código A, trata-se de dois manuscritos em papel, encadernados com capa de cartão. Originariamente faziam parte do manuscrito A de onde foram rasgados por Guglielmo libri. Recolhem principalmente estudos pictóricos (Ash. 2038) e outros estudos (Ash. 2037) que Leonardo, provavelmente, executou entre 1489 e 1492.





Leonardo escrevia da direita para a esquerda e a sua escrita é leggivel apenas ao espelho.Mesmo as páginas dos seus cadernos devem ser folheadas ao contrario. Quando queria manter secreto alguma coisa escrevia anagramando as palavras.




4 commenti:

Scarlata ha detto...

O sacana do Bill gates tem um... eu acontento-me com uma copia!
Que Génio! Volta volta e meia fico agarrada ao Leonardo.

blue ha detto...

que génio mesmo... como é que é possível?

Scarlata ha detto...

Nao sei mesmo, penso tantas vezes nisto... eram artistas completos, tanto projectavam uma praça como pintavam um quadro ou faziam uma escultura. Outro que me fascina é Michelangelo, mas existem tantos outros menos conhecidos que vale a pena descobrir.[suspiro]
Tu vais no bom caminho. ;-)

Anonimo ha detto...

Da vinciii 4 eveer !
^^